in

RELAÇÃO ENTRE PINTORES É RETRATADA NA PEÇA “VAN GOGH POR GAUGUIN”

Thelma Guedes escreveu ára o diretor Roberto Lago uma história que conta um encontro ficcional entre Paul Gauguin (1848-1903) e Vicent Van Gogh (1853-1890).

Neste espetáculo não biográfico a autora mostra Gauguin vivendo com o peso da responsabilidade do final trágico da vida de seu amigo Vicent.

O espetáculo Van Gogh por Gauguin está em cartaz até no dia 10 de Junho de 2019 na Sala Paschoal Carlos Magno no Teatro Sérgio Cardoso todas às segundas às 20h, sábados às 18h30 e Domingos às 19h.

De forma poética a peça nos mostra os conflitos e admiração incondicional entre os pintores.

De outubro a dezembro de 1888, na pequena Arles, na França, acontece o encontro explosivo entre aqueles que viriam a ser considerados, futuramente, como dois dos maiores artistas da história.


Alex Morenno e Augusto Zacchi

Em período de apenas dois meses, em que eles dividem a pequena Casa Amarela, em Arles, na isolada região rural francesa, vivendo e pintando juntos, as profundas diferenças de temperamento e de visão artística provocam embates, muitas vezes violentos, culminando no famoso e terrível desfecho no qual, após uma forte discussão, Paul decide partir de volta a Paris e Vincent reage, intempestivamente, decepando a própria orelha.

Em 1890, o atormentado Van Gogh tenta suicídio com um tiro na barriga, que o levaria à morte no dia seguinte. Gauguin, por sua vez, em 1891, depois de uma bem sucedida exposição, realiza o sonho de ir morar no Taiti. Lá, produz vigorosamente até que, abatido por uma sífilis não diagnosticada, vai sendo excluído da sociedade e abandonado pelos seus. É sobre esse episódio mal sucedido que se pauta o espetáculo Van Gogh por Gauguin.

“A intenção é trazer para cena um Van Gogh espectral, fruto do inconsciente delirante de Gauguin que, sofrendo com as consequências da sífilis, acredita estar morrendo”, comenta o diretor Roberto Lage.

Por meio de um exercício dramatúrgico de imaginação, a encenação reinventa o momento em que o efeito delirante do arsênico sobre o pintor o leva a acreditar que Van Gogh está ao seu lado, acompanhando o instante de sua morte e, ao mesmo tempo, forçando-o a se lembrar dos momentos que passaram juntos.

Em um ambiente decadente, deteriorado e sujo, ele sente fome e muita dor. E seus delírios colocam o público frente às diferenças entre eles, tanto no modo de ver a vida, de agir e de fazer arte, como na evidente admiração de um pelo outro – assumida por Van Gogh, mas dissimulada por Gauguin, numa mistura de inveja com incômoda admiração.

A culpa de Gauguin em relação ao amigo morto, que fora por ele magoado, abandonado e esquecido, e cuja presença e memória servem como acusação e sentença de morte, revela sua incapacidade de comunicação e afeto com aquele que tinha tanta coisa dele mesmo, mas que também seria o seu oposto, a sua sombra. Vive uma culpa sobre aquele que lhe causou, por fim, tantos sentimentos intensos, profundos e contraditórios, como o amor e a repulsa.

FICHA TÉCNICA

Texto: Thelma Guedes. 

Direção: Roberto Lage. 

Assistência de direção: Joanah Rosa. 

Elenco: Alex Morenno e Augusto Zacchi. 

Cenografia e figurino: Paula De Paoli. 

Iluminação: Kleber Montanheiro. 

Trilha sonora: Aline Meyer. 

Projeto gráfico: Paula De Paoli. 

Fotos e vídeos: Leekyung Kim. 

Produção executiva: Regilson Feliciano. 

Operação de luz: Rodrigo Oliveira.

Operação de som: Anderson Franco. 

Direção de produção e administração: Maurício Inafre.

Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação. 

Realização: Roberto Lage Produções Artísticas.

Temporada: 22/04 a 10/06 – Sábado 18h30, Domingo 19h e Segunda 20h.

Ingressos: R$ 50,00 (meia entrada: R$ 25,00)

Gênero: Drama.

Duração: 75 minutos.

Classificação: 14 anos.

Onde: Teatro Sérgio Cardoso

OBRA DE ARTE NO MUSEU LOUVRE É DESTRUÍDA PELOS VISITANTES

TRAILER DE “SONIC” MOSTRA JIM CARREY COMO DR. ROBOTNIK