in

OBRA DE ARTE NO MUSEU LOUVRE É DESTRUÍDA PELOS VISITANTES

Em celebração ao 30º aniversário da famosa pirâmide de vidro do Museu Louvre, na França o artista francês JR (Jean Rene) criou uma obra que foi destruída em um dia após sua inauguração.

A obra foi criada com a ajuda de 400 voluntários e consistia em uma colagem com dois mil pedaços de papel que provocava uma ilusão de ótica.

Como os papéis cobriam o chão ao redor da pirâmide, assim que o museu foi aberto, no dia 29 de março, a obra começou a ser destruída pelos visitantes que ao andar pelo espaço foram rasgando e descolando os papéis, fazendo que no outro dia a obra já não existisse mais.

No entanto esse fato foi previsto pelo artista, que escreveu sobre o fato em seu twitter:

“As imagens, assim como a vida, são efêmeras. Uma vez colada, a obra de arte vive sozinha. O sol seca a cola leve e a cada passo as pessoas rasgam pedaços do papel frágil. O processo é todo sobre a participação de voluntários, visitantes e caçadores de lembranças”.

Confira algumas imagens do processo de construção da obra:

Com a polêmica sobe a destruição da obra, o próprio Louvre precisou emitir um comunicado sobre o ocorrido:

“É bastante normal que tenha sido destruído, nós só não sabíamos o quão rápido isso iria acontecer. O calor fez a cola secar. Esperava-se que, de qualquer maneira, o trabalho já tivesse desaparecido na segunda-feira, por isso está tudo bem”.

Apesar da naturalidade com que o museu e o artista olharam para a rápida destruição da obra, um dos voluntários contou que a intenção não era que isso acontecesse num espaço tão curto de tempo e que o que mais se temia eram os danos que pudessem ser causados pela chuva e não pelo público.

O artista JR (Jean Rene)

Mas um outro fato surpreendeu a todos quando o artista revelou em seu Twitter que dedicou este trabalho à sua amiga Agnès Varda, que morreu no dia da inauguração da obra, e com quem trabalhou no documentário de 2017, “Faces Places”.

“Tenho a certeza de que consegues ver. Eu fiz algo que pudesse ser visto do céu. Juro que não sabia que seria para ti”.

A TECNOLOGIA POR TRÁS DO REMAKE DE “O REI LEÃO”

RELAÇÃO ENTRE PINTORES É RETRATADA NA PEÇA “VAN GOGH POR GAUGUIN”