in

A TECNOLOGIA POR TRÁS DO REMAKE DE “O REI LEÃO”

Não é difícil de ouvir por aí pessoas classificando a nova versão de “O Rei Leão” de live-action. Embora a Disney tenha entrado em uma série de remakes dos seus clássicos animados para esse formato, o novo filme não pode ser catalogado dessa forma.

A tecnologia de live-action consiste na utilização de atores reais como base para animações digitais, o que não é o caso de “O Rei Leão” já que todos os personagens são animais. Por esse motivo a equipe da Disney prefere utilizar o termo “produção virtual” ao invés de live-action.

O que muitos não sabem é que o longa foi “filmado” exatamente como um longa-metragem convencional, mas em um set inteiramente gerado por realidade virtual. Desta forma o diretor e sua equipe “entravam” nos cenários para escolher os ângulos e movimentos de câmeras para as cenas utilizando dispositivos de VR.

“Escolhemos esta técnica para fazer com que um filme animado pareça live-action. Ao invés de alguém sentado no computador programando, temos uma equipe de verdade que ‘entra no set’ e interage com a cena, tomando decisões de câmera que teríamos que tomar em um set de filmagens normal”, explica Favreau, diretor do longa.

Em 2016, Favreau já havia sido elogiado por sua inovação técnica na versão live-action de “Mogli: O Menino Lobo”, mas seu novo filme tem uma diferença crucial em relação ao anterior. Enquanto “Mogli” contava com o ator Neel Sethi no papel título, “O Rei Leão” não tem absolutamente nenhum elemento que não seja animado.

Após remover o único elemento físico de Mogli, não ficamos mais presos a uma tela verde, ou à operação de câmeras de verdade. Tudo se tornou virtual. Nós basicamente criamos um jogo de realidade virtual exclusivamente para a produção deste filme. Eu acho que este filme é a culminação de todos os remakes recentes da Disney. A ideia é pegar estes personagens e estas músicas, e reinventá-los para uma nova mídia, apesar de se manter fiel ao espírito do original. Quando vi o resultado das nossas primeiras cenas de ‘O Rei Leão’, percebi que a nova tecnologia nos ajudaria a separar o novo filme do antigo, mas mantê-lo conectado às origens”, contou o cineasta.

O malabarismo entre fidelidade ao original e inovação também ditou o desenvolvimento do roteiro e da trilha sonora do remake. O filme de Favreau inclui todas as canções ouvidas em “O Rei Leão”, de 1994, mas elas ganham novos arranjos nas mãos de Hans Zimmer, Elton John, Tim Rice e Lebo M.

O envolvimento de Beyoncé (Nala) e Donald Glover (Simba) no elenco de vozes ajudou nesta reinvenção.

“Cada música do nosso ‘O Rei Leão’ traz um estilo diferente do que ouvimos no filme original. Donald e Beyoncé facilitaram a criação de novos sons, mas também nos incentivaram a construir em cima daquilo que as pessoas já amavam sobre os originais”, definiu Favreau.

“Apesar de sua personagem no palco ser maior do que a vida, Beyoncé uma pessoa muito ‘pé no chão. Eu acho que parte do que fez ela se juntar a este elenco são seus filhos, e o fato de que esta é uma história que faz sentido para ela em sua vida e em sua carreira. Ela gosta muito do filme original”.

O ator Seth Rogen, que dá voz a Pumba, resumiu o complicado dilema vivido por Favreau na produção.

“Todas as vezes em que Jon me mostrava alguma cena, eu começava a chorar incontrolavelmente. Há algo sobre ‘O Rei Leão’ que atinge as pessoas em sentimentos profundos, em memórias de sua infância, mas este filme fez com que eu me importasse com esta história em uma dimensão adulta também”.

Confira o Trailer do filme:

É O FIM DA BROADWAY BRASILEIRA?

OBRA DE ARTE NO MUSEU LOUVRE É DESTRUÍDA PELOS VISITANTES