BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates

Nada Pode Tudo: Jussara Miller une dança, literatura e fotografia em espetáculo

O ecletismo literário da poeta Alice Ruiz se faz presente desde seus livros até as composições musicais eternizadas por importantes vozes, como Itamar Assumpção e Arnaldo Antunes. A força poética que recheia suas palavras, pela primeira vez, salta do papel para o palco através do novo trabalho da coreógrafa e bailarina Jussara Miller. A artista contaminou-se pela energia literária da poeta brasileira para ganhar novos contornos e perspectivas dramatúrgicas em sua dança.

Nasceu então o espetáculo Nada Pode Tudo, livremente inspirado na obra de Alice Ruiz, que faz estreia nacional no Teatro Estadual de Araras no próximo sábado, dia 19, às 20h30. O projeto foi realizado com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, Programa de Ação Cultural (Proac) 2014.

Foto 3 npt

O espetáculo é uma extensão da pesquisa realizada por Jussara Miller com questões ligadas à investigação da construção da poética do movimento tecida pela articulação entre dança, literatura e fotografia. Um segmento criativo visitado em outros dois espetáculos da artista, como Clariarce (baseado na obra de Clarice Lispector) e Cá entre Nós (inspirado na obra de Adélia Prado), solos mais recentes da coreógrafa, ambos, premiados pelo Proac.

O que impulsionou Jussara Miller a entrar no universo de Alice Ruiz foi perceber a sua inquietude como mulher, sua sensibilidade como ser humano em cada palavra, em cada verso, os detalhes, o simples, ou melhor, a complexidade da simplicidade. Segundo a coreógrafa e bailarina, tudo isto é muito presente na obra de Alice Ruiz e foi isto que a encantou. A escritora tem 21 livros publicados, entre poesia, traduções e uma história infantil; e lançou, em 2005, seu primeiro CD, Paralelas.

Oficina gratuita

Além da apresentação, a coreógrafa ministrará a oficina A Escuta do Corpo, no mesmo dia (19), das 14 às 16 horas, no Centro Cultural Leny de Oliveira Zurita. A oficina propõe a exploração dirigida do movimento a partir da investigação do corpo sensível com o uso de vetores que potencializam o movimento pelo espaço. Será trabalhado o estado de dança com enfoque na escuta do corpo, contextualizando a preparação do corpo cênico a partir do referencial somático com a prática da Técnica Klauss Vianna.

A oficina é direcionada a dançarinos, atores e pessoas interessadas em dança. Inscrições podem ser encaminhadas ao email isarazera@gmail.com. Os interessados só precisam informar a cidade para qual estão se inscrevendo.

Projeção de imagens

A construção coreográfica de Nada Pode Tudo bebeu na fonte dos haikais de Alice Ruiz, forma de expressão literária nascida no Japão, no século XVI. A concepção, criação e dança é de Jussara Miller. Já a direção, dramaturgia e cenografia ficou a cargo de Norberto Presta, e a fotografia e trilha sonora são assinadas por Christian Laszlo, que fez a pesquisa das imagens que serão projetadas em cena e que somarão aos movimentos coreográficos.

Para que a trilha sonora e as projeções dialogassem com a poesia de Alice, foi realizada uma análise das imagens e ambientações sugeridas por Laszlo para a criação do audiovisual com suas reverberações no espaço cênico, estudo este, aliado a uma pesquisa de movimento para compor a coreografia. Desta forma, nascia a dramaturgia do espetáculo.

Jussara, Christian e Norberto mantém uma sequência de trabalho criativo, de colaboração mútua entre as linguagens. Essa ética de trabalho é visível em cena, na medida em que não há uma hierarquia entre a bailarina e as colaborações criativas de todos os artistas envolvidos: a direção, a fotografia, a cenografia, a trilha sonora, a iluminação e o figurino recebem igual atenção na relação com a coreografia para dar organicidade a um trabalho dramaturgicamente coerente.

Neste solo de Jussara Miller, há vários momentos de improvisação. A artista trabalha com a Técnica Klauss Vianna e denomina um procedimento de sua pesquisa como “mapa coreográfico”, um mapa que abre possibilidades de a cada dia a coreografia acontecer de uma maneira diferente a partir do estado de presença que é priorizado e trabalhado durante todo o espetáculo.

Sobre Jussara Miller

Bailarina, coreógrafa, diretora e educadora somática. É graduada, mestre e doutora em Dança pela Universidade Estadual de Campinas (SP) – UNICAMP. Em 1988 iniciou a pesquisa sobre o movimento consciente, tendo como professores Klauss Vianna e seu filho Rainer Vianna.É autora dos livros “A Escuta do Corpo” (Summus, segunda edição, 2007) e “Qual é o corpo que dança?” (Summus,2012). É docente do curso de pós graduação em Técnica Klauss Vianna na PUC-SP e diretora e professora do Salão do Movimento , em Campinas, São Paulo.

Serviço – Nada Pode Tudo
Dia 19 de setembro, às 20h30
Teatro Estadual de Araras – Avenida Dona Renata, 401. Telefone: (19) 3543-2450
Entrada R$ 2,00 (inteira) e R$1,00 (meia-entrada)

Oficina
Dia 19 de setembro, das 14 às 16 horas
Centro Cultural de Araras – Avenida Angelo Franzini s/n
Gratuito
20 vagas, por ordem de inscrição no email isarazera@gmail.com.

About Carolina Carettin

Caipira e graduanda em Jornalismo. Já quis ser detetive, psicóloga e primeira bailarina do Bolshoi. Desistiu das duas primeiras carreiras, mas ainda dança, nem que seja só a macarena.

Confira também

Pioneira negra, Misty Copeland se torna primeira-bailarina do American Ballet Theater

Misty Copeland estava se tornando a mais famosa bailarina dos EUA -tinha sido capa da ...

Deixe uma resposta