BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates

Junior Lima realiza sua primeira exposição fotográfica

Acostumado a mostrar seus cliques no Instagram, Junior Lima (@Junior_Lima), músico e apresentador do programa online Vevo Sessions, realizou sua primeira exposição. “Faces” ficou em cartaz na Matilha Cultural e na Luis Maluf Art Gallery ambas em São Paulo. A exposição se encontra agora na Galeria Gamma em Maceió até o dia 12 de setembro.

A mostra é composta por cerca de 40 imagens, sendo a maior parte delas capturadas por Junior em viagens a lugares como Fernando de Noronha, Utah, Camboja e Indonésia.

Algumas das fotografias recebem intervenções em tinta acrílica e spray do artista plástico e grafiteiro mineiro Dalata.

“Procuro encontrar fotografia em tudo e gosto de gerar curiosidade na pessoa que vai ver a fotografia. Fazer ela pensar que momento é esse ou o que é isso. É uma maneira de conectar”, diz Junior.

3ae970_266f934e9f4e49b4a44d458a54fa2025

Como começou seu interesse por fotografia?
Junior Lima – Faz uns onze anos. Minha mãe iniciou um curso de fotografia porque queria fotografar a gente [ele e Sandy]. Eu já estava flertando com o tema e pedi para ela me ensinar. Ela comprou uma câmera analógica antiga, mas não se adaptou muito e me deu a máquina.

E foi no Instragam que seu lado fotógrafo se tornou conhecido…
Comecei a fotografar pelo celular e fui desenvolvendo bastante meu olhar. Logo comecei a namorar a Monica [Benini, sua mulher] e a fotografia foi nossa primeira conexão. No Instagram eu só postava fotos mais artísticas. Isso foi ficando evidente e as pessoas começaram a cobrar uma exposição e eu fui prometendo. Conheci o Dalata e comentei que gostaria de expor meu trabalho. Ele tem um projeto que chama “Eu Vejo Coisas” -em que ele intervém [com grafiti] em vários lugares- e quando viu minhas fotos pensou em fazer algo nelas.

Tem alguma das fotos da mostra que te agrada mais?
O retrato de uma senhora sorrindo sem nenhum dente. Tirei a fotografia no Camboja dentro de um templo e me marcou muito. Ela estava sentada com a perna toda torta, com umas fitinhas coloridas que amarrava no pulso das pessoas. Ela me transmitiu uma coisa incrível, eu pedi uma foto e ela abriu um sorriso que desacreditei.

Como você encara o papel do fotógrafo dentro e fora das redes sociais?
O cuidado com uma exposição, por exemplo, é muito maior. Não que o Instagram não seja importante, há fotógrafos que fazem um trabalho incrível ali. Eu levo menos a sério porque para mim é dia a dia. É como ouvir uma música no MP3 e ter uma coleção de vinis, que você pode escutar em sua casa na companhia de um vinho. Você está sempre ouvindo música, mas de maneiras diferentes.

Fonte: Guia Folha

About Daniel Pereira

Um aquariano que vive com os pensamentos no futuro mas tem grande apego com o passado. Apaixonado por arte e Comunicação. Seu maior defeito é fazer mil coisas ao mesmo tempo a ponto de não ter tempo pra mais nada e mesmo assim vive criando coisas novas pra fazer.

Confira também

Pornceptual: coletivo usa arte para fazer ‘pornografia cult’

A arte pode ser mais excitante do que a pornografia tradicional? Essa é a aposta ...

Deixe uma resposta